Projeto de Parceria : CRIA – ECOS – GTPOS
CRIA – ECOS – GTPOS, três ONG’s que tinham por objetivo comum promover os direitos sexuais e reprodutivos dos jovens brasileiros, reuniram-se em torno de um projeto de parceria, para os anos de 2001-2003, financiado pela Fundação MacArthur, com o seguinte objetivo geral:

Contribuir para a formulação de políticas públicas para adolescentes e jovens – tendo como base o Estatuto da Criança e do Adolescente (1990) e as recomendações da Conferência de População e Desenvolvimento (Cairo,1994) – , com ênfase na garantia dos direitos sexuais e reprodutivos, realizando ações e estimulando o Estado a exercer seu papel na defesa desses direitos nos âmbitos da educação, da saúde e da legislação.

Avaliamos que, apesar do impacto que a população jovem tem hoje no Brasil como grupo populacional específico, não se observa uma equivalente preocupação da sociedade e do Estado brasileiro em oferecer serviços e consolidar direitos à juventude, especialmente no campo dos direitos sexuais e reprodutivos.

A maior parte dos jovens ainda está distante das ações ainda minoritárias que permitem uma ampliação da cidadania jovem em nosso país. Torná-las cotidianas no universo de adolescentes e jovens, exige mudanças mais substantivas no cenário nacional e ações mais coesas, claramente definidas e direcionadas. Aglutinar esforços, portanto, passa a ser a tônica de nossas próximas ações, fundindo interesses e buscando maior impacto sobre a realidade nacional.

Objetivos específicos
I. Subsidiar, acompanhar e estabelecer uma relação crítica, em nível federal e local, à formulação de políticas públicas destinadas a adolescentes e jovens na área dos diretos sexuais e reprodutivos, ao longo dos três próximos anos. Essa ação tem como finalidade aumentar de forma significativa a presença de ações políticas voltadas para essa população, tanto nas instâncias decisórias como nas agendas dos meios de comunicação.
II. Afirmar, em todas as ações educativas desenvolvidas no país por CRIA, ECOS e GTPOS, as pautas de direitos sexuais e reprodutivos como direitos humanos dos adolescentes, relacionando-os ao Estatuto da Criança e do Adolescente.
III. Contribuir para aumentar a articulação entre as áreas de saúde e educação, visando otimizar as práticas e cuidados com a sexualidade e a saúde reprodutiva dos jovens e adolescentes.
IV. Sistematizar e registrar em uma publicação comum, as experiências desenvolvidas por CRIA, ECOS e GTPOS, tornando-a objeto de referência, para subsidiar programas e ações nas áreas da sexualidade e direitos sexuais e reprodutivos de adolescentes/jovens em nosso país.