Contribuir para a construção de conhecimento e implementação de ações críticas e inovadoras em relação à sexualidade, nos âmbitos da educação, da saúde e da comunidade, visando ao bem-estar dos indivíduos.

CURRÍCULO DA INSTITUIÇÃO

O GTPOS – Grupo de Trabalho e Pesquisa em Orientação Sexual – desenvolveu, a partir de 1987, as iniciativas abaixo relacionadas:

· Uma proposta metodológica para o trabalho de Orientação Sexual em escolas, publicada pela Editora FTD, 1989 – esgotado.

· Implantação, de 1989 a 1992, do Projeto de Orientação Sexual nas escolas municipais da cidade de São Paulo, atingindo aproximadamente 15.000 adolescentes e 313 escolas, com o financiamento da Fundação John D. and Catherine T. MacArthur.

· Em 1994, lançou o Guia de Orientação Sexual – Diretrizes e Metodologia, com base no trabalho original da SIECUS (Sex Information and Education Council of the United States). Publicado pela Editora Casa do Psicólogo, atualmente está na 10ª edição.

· Em 1995, foram implantados Projetos de Orientação Sexual nas redes escolares dos municípios de Belo Horizonte (MG), Recife (PE), Florianópolis (SC), Campo Grande (MS), Santos (SP) e Goiânia (GO), com a assessoria do GTPOS e financiamento do Ministério da Saúde e, ainda, em Porto Alegre (RS), com financiamento da prefeitura local.

· Projetos similares de Orientação Sexual têm sido desenvolvidos em dezenas de escolas particulares e públicas neste período.

· Realiza palestras, trabalhos de sensibilização e oficinas de sexo protegido para diferentes grupos, empresas e instituições, além do trabalho com outras organizações não-governamentais.

· De 1995 a 2003, o Projeto de Sexualidade e Prevenção das DST/AIDS sensibilizou e capacitou grupos de adolescentes, mulheres, gays, lideranças comunitárias, profissionais da saúde e educadores da Favela Heliópolis, a maior de São Paulo, coordenado pelo GTPOS, com financiamento de uma empresa nacional – Petróleo Ipiranga.

· Em 1995, lançou o livro “Sexo se Aprende na Escola”, editora Olho D’Água, procurando fundamentar o trabalho de Orientação Sexual nas escolas e fornecendo elementos teóricos e metodológicos aos educadores.

· A partir de 1996, estruturou e informatizou um Centro de Documentação e Informação (CDI) em Sexualidade/DST-Aids/Drogas, para atender aos profissionais e estudantes dessas áreas e ao público em geral, com financiamento da Fundação MacArthur.

· Realizou dois projetos para o Fundo de Resposta Rápida do AIDSCAP: 1) Distribuição e avaliação de uso do Guia de Orientação Sexual para entidades que trabalham com mulheres na prevenção da Aids; 2) Dirigido às vereadoras eleitas em 1996, sobre ações do legislativo e políticas públicas na questão do HIV/Aids.

· A partir de 1996, com financiamento do Ministério da Saúde – CN DST/Aids, tem coordenado o Projeto “Trance essa Rede”, que trabalha com a capacitação e supervisão de adolescentes – multiplicadores na prevenção das DST/Aids.

· Três membros do GTPOS participaram da elaboração das cartilhas Fala Garota, Fala Garoto (Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, 1996; edição revisada, Laboratório Organon, 2001) e Fala Educadora, Fala Educador (Laboratório Organon, 2000).

· Dois membros do GTPOS participaram da elaboração dos Parâmetros Curriculares Nacionais do MEC em 1997 e 1998, respondendo pelo tema transversal Orientação Sexual.

· Em 1999, lançou o Álbum Adolescência e Vulnerabilidade, material didático, vinculado ao Projeto “Trance essa Rede”, cujo sucesso motivou a reimpressão de 20.000 exemplares, pela Coordenação Nacional das DST/Aids do Ministério da Saúde, para distribuição nacional.

· Em 1999, elaborou, como equipe consultora, para a UNESCO, uma proposta de adaptação para o material pedagógico/instrucional Crescendo de bem com a Vida, destinado a crianças de 4 a 12 anos e a professores, abordando os temas de sexualidade, DST/Aids e drogas, a ser distribuído para todas as escolas públicas do país.

· Também em 1999, foi uma das cinco ONGs homenageadas pelo Ministério da Saúde pela qualidade do trabalho de prevenção das DST/Aids desenvolvido junto a crianças e adolescentes.

· De 1999 a 2001, o GTPOS implantou o Projeto de Orientação Sexual na Escola para a Secretaria de Educação do Município de Mauá, SP, com financiamento da Fundação Abrinq.

· Publicou 24 edições do Boletim GTPOS, com tiragem de 8.000 exemplares, distribuídos a ONGs e profissionais da Educação e Saúde, com financiamento do Ministério da Saúde CN DST/Aids – UNESCO.

· O GTPOS recebeu, da Câmara Municipal de São Paulo, o prêmio Betinho de Cidadania 2000, por sua atuação junto aos direitos sexuais e reprodutivos como direitos humanos.

· O GTPOS conquistou os subsídios do programa International Grants 2001 da Fundação Merck, como reconhecimento pelo trabalho desenvolvido junto a adolescentes no Projeto “Trance essa Rede”.

· O GTPOS é uma das organizações brasileiras filiadas ao CLAE – Consorcio Latinoamericano de Anticoncepción de Emergencia.

· Em 2002, lançou o material didático ANTES – DURANTE – DEPOIS: Gravidez na adolescência, que inclui jogo, dinâmicas e textos de apoio para educadores.

· Em 2003 e 2004, implantou o trabalho de Orientação Sexual na Escola em toda a rede municipal de ensino da cidade de São Paulo (ensino fundamental, médio, educação especial, educação de jovens e adultos e centros de educação infantil) para a Secretaria de Educação da Prefeitura Municipal de São Paulo. Suas ações alcançaram mais de 1000 escolas da rede, cerca de 8000 educadores, atingindo aproximadamente 100.000 alunos.

· Em 2004, desenvolveu o projeto Sexualidade e Direitos Reprodutivos, realizando ações de planejamento familiar junto às populações de Cidade Ademar e Cidade Tiradentes, a partir da rede municipal de ensino da Cidade de São Paulo, por solicitação da Prefeitura Municipal.

· Em 2005, em parceria com o Instituto WCF e financiamento do FNDE-Ministério da Educação, o GTPOS capacitou instituições da Baixada Santista, que atendem crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social, para o desenvolvimento de ações educativas sobre sexualidade.

· Em 2005, o GTPOS realizou a implantação de Orientação Sexual em escolas públicas da cidade de São Luís do Maranhão e Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco, por meio de capacitação de educadores e acompanhamento de supervisão nas duas cidades, dentro do projeto da organização não-governamental Plan Brasil “Estilos de Vida Saudáveis”. Também capacitou educadores em Orientação Sexual e Prevenção ao Uso Indevido de Drogas para a Prefeitura Municipal de Presidente Prudente, SP.

· Em 2006 o GTPOS desenvolveu os projetos: Sexualidade, Cidadania e Diversidade para o Ministério da Educação/SECAD; Jovens, Exploração Sexual e Anticoncepção de Emergência: abordando questões-chave de Saúde Sexual e Reprodutiva no Sudeste e no Nordeste do Brasil, em parceria com Bemfam e ECOS, com financiamento da Nike. E capacitação de educadores para Orientação Sexual para as Prefeituras de Arujá, SP, e Barueri, SP, nesta última por intermédio da FIA (Fundação Instituto de Administração). Além disso, lançou o documentário em DVD Gravidez na Adolescência e o livro Orientação Sexual: Educadores Relatam Experiências, desenvolvidos a partir de trabalhos realizados junto à Prefeitura Municipal de São Paulo.